Whatsapp para exercer a cidadania

Share Button

Os vereadores da cidade paraibana de Bayeux, na região metropolitana de João Pessoa, aplaudiram um grupo criado no Whatsapp que permite exercer a cidadania ao discutir questões da cidade. A vereadora Luciene de Fofinho (isso mesmo, F-o-f-i-n-h-o) explicou que é uma iniciativa importante, pois são moradores que trocam ideias e informações sobre a cidade e que são levadas adiante para que problemas sejam resolvidos pelas autoridades.

Eu não sei se era necessário gastar tempo e dinheiro do município para abordar este assunto na Câmara de vereadores, mas de qualquer forma a criação deste grupo assim é uma iniciativa importante e que poderia ser adotada por cidadãos de outros municípios.

Eu mesmo faço parte da associação de moradores de uma das cidades satélites de Brasília, a que moro, claro, e que tem conseguido muitos benefícios para a cidade, pois até mesmo o administrador (em Brasília não temos prefeito) faz parte do grupo.

Esta talvez seja a maneira mais simples e eficaz de exercer a cidadania e de fazer parte da vida política de seu município, ainda que esteja restrito inicialmente a um bairro. Usar as tecnologias disponíveis para o bem coletivo é, sem dúvida, a maneira mais inteligente de usufruir tecnologias desenvolvidas para a comunicação e entretenimento.

Mas, voltando ao assunto principal deste texto, na mesma ocasião em que a vereadora "Fofinho" pediu aplausos ao criador do grupo de Whatsapp da cidade, o vereador Adriano do Táxi tentou pegar uma carona na onda das palmas e pediu ao plenário para aplaudir também os inventores dessas tecnologias que permitiram a troca de informações do grupo. O nobre vereador perdeu uma ótima oportunidade de permanecer calado, pois atribuiu a criação do Whatsapp e até mesmo da internet ao multimilionário Bill Gates.

Esta é uma das notícias comentadas do vídeo abaixo que ainda tem a dança da chuva em Brasília, o deputado espertalhão e os 153 deputados que devem explicações ao STF.

Escrito por Lúcio Big

AVISO AOS 'J'ÊNIOS DE PLANTÃO: As opiniões expressas pelos autores e leitores são de inteira responsabilidade dos mesmos e não refletem, necessariamente, a opinião do Canal do Otário.