Projeto Novo Eleitor – participe da elaboração do manifesto

Share Button

Por que fazer parte do Projeto Novo Eleitor?

Leia as informações abaixo e depois você decide se vale a pena tentar fazer algo para mudar a realidade da política brasileira.

Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados está preso para cumprir pena de 15 anos e quatro meses por fazer parte em esquemas de corrupção;

Deputado Celso Jacob (PMDB-RJ) cumpre pena de 7 anos e 2 meses em regime semiaberto por falsificação de documento público e dispensa de licitação. Ele ainda exerce o seu mandato, mas tem que voltar ao presídio da Papuda todas as noites para dormir;

Geddel Vieira Lima, ex-ministro dos governos Dilma e Temer e homem forte da política baiana está preso. Era dele aquelas malas e caixas de dinheiro encontradas num apartamento em Salvador;

Dison Lisboa (PSD) é deputado estadual do RN e vai trabalhar todos os dias na Assembleia Legislativa do Estado com tornozeleira eletrônica. Ele foi condenado a 5 anos e 8 meses por improbidade administrativa e ainda responde a outros 12 inquéritos;

Os mais próximos ministros de Temer, Moreira Franco e Eliseu Padilha foram denunciados pela PGR à Justiça por terem recebidos R$ 13,3 milhões em propinas pagas pela construtora Odebrecht;

Senador José Agripino Maia, presidente do DEM, responde a 4 inquéritos no STF, inclusive por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Estes são apenas alguns nomes de políticos que estão acertando as contas com a Justiça ou ainda deverão acertar, mas a lista completa é enorme.

Na Câmara, 175 deputados, um terço do total, são acusados por práticas ilícitas e respondem ao menos a inquéritos no STF. No Senado a situação é um pouco pior: dos 81 membros, 45 possuem alguma acusação na Suprema Corte, o que representa 55% da casa.

E você sabe o que há de comum nesses casos? Todos eles foram eleitos por nós, sendo que muitos destes foram reeleitos várias vezes, como o ex-presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, que foi eleito deputado federal na primeira vez em 1971 e só não foi reeleito em 2015.

Foram 11 eleições em que saiu vitorioso e neste período ainda exerceu cargos no Executivo, inclusive como ministro de Estado. Hoje o político está preso preventivamente sob as acusações de lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva.

Não é possível mudar a índole de quem concorre a cargos políticos neste país, mas é possível mudar as caras dos eleitos a partir das próximas eleições. Votar naqueles que não representam a continuidade do que existe hoje na política brasileira - este é o objetivo do Projeto Novo Eleitor.

A Operação Política Supervisionada (OPS) está elaborando um documento que será divulgado a partir de janeiro de 2018 com o objetivo de disseminar a ideia de que é preciso fazer a reforma política a partir do voto e você está convidado a ajudar na elaboração deste documento.

De agora até o final do mês de novembro, a OPS deixará no ar um fórum virtual de discussão em que você poderá sugerir ou debater ideias que poderão fazer parte deste documento. Será preciso também de um gerente de projetos, de um editor, de moderadores e de um arte-finalista.

Saiba mais em projetonovoeleitor.com.br

Assista:

Escrito por Lúcio Big

AVISO AOS 'J'ÊNIOS DE PLANTÃO: As opiniões expressas pelos autores e leitores são de inteira responsabilidade dos mesmos e não refletem, necessariamente, a opinião do Canal do Otário.

Assinantes do site tem descontos especiais na loja! Bronze (5%), Prata (10%), Ouro (20%) e VIP (30%) Aproveite!!! Dispensar