São Paulo: um gordo de 309 Kg

Share Button

Congestionamento recorde

Na véspera do feriado de Proclamação da República, 14/11/2013, a Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo (CET), registrou o maior congestionamento da história na cidade! Foram 309 km de lentidão, ou seja, uma fila de carros parados (ou quase parados) um atrás do outro, quase equivalente a distância entre as duas maiores cidades do país (São Paulo e Rio de Janeiro).

Para vcs terem uma ideia, nem mesmo o grafiCUzinho da CET aguentou. E ultrapassou o limite dos 35% (atingindo a marca de 35,6% às 18h00min), como pode ser visto na imagem a seguir:

Trafego-SPFonte: CET

Apenas para facilitar a leitura do gráfico acima (que mostra o percentual de lentidão ao longo do dia), a média de lentidão neste horário varia entre 12% e 17% (representado pelas curvas verde e vermelha, respectivamente)! O maior percentual já registrado até então era de 34,2% (linha amarela).

Mas esse problema de congestionamento do trânsito é recorrente em várias capitais brasileiras, e não é uma exclusividade de São Paulo.

E qualquer cidade que simplesmente pára quando algum caminhão enguiça no meio da marginal ou em vésperas de feriado, não é normal e muito menos aceitável! Por mais que as pessoas já estejam acostumadas com isto.

Obesidade Mórbida (309 kg)

Se representássemos a cidade de São Paulo na forma de uma pessoa, ela seria gorda, muuuuito gorda (com obesidade mórbida!) e provavelmente pesaria uns 309 kg (aproveitando o gancho dos 309 km de congestionamento). Além disto, seu coração não estaria nada bem, e possuiria umas 10 pontes de safena (representado pelos inúmeros viadutos existentes na cidade para tentar desafogar o trânsito).

E para "ajudar", a dieta diária desta pessoa seria composta basicamente de:

- 10 litros de refrigerante (enchentes)
- 5kg de salgadinhos (veículos leves)
- 3kg de guloseimas (veículos pesados)
- 500g de sal! (descumprimento de leis, falta de transporte público adequado, má educação de pedestres e motoristas, etc)
- Êita!

Infarto

Cada vez que o coração da cidade pára, aparece um "J"ênio do governo (sim, com "J" de jumento), disposto a gastar uma fortuna com mais uma ponte de safena (ou seja, mais um viaduto, ou anel viário, ou alguma obra faraônica) para salvar o paciente e desentupir suas artérias...

Porém, de que adianta fazer inúmeras intervenções cirúrgicas no coração desse gordo, se ele continua se alimentando da mesma maneira que antes, ou talvez até pior?!

Por mais que essa cirurgia seja bem sucedida, em poucos meses, o paciente precisará voltar para a mesa de operações novamente para desentupir suas artérias!

- Que PORRA de lógica é essa?!

Dr. House

Não precisa ser nenhum Dr. House para tentar diagnosticar e curar definitivamente os problemas desta pessoa:

- A primeira coisa a ser feita, seria uma completa reeducação alimentar. Reduzindo-se drasticamente o consumo de alimento desta pessoa.

- Depois, uma cirurgia bariátrica (Gastroplastia, ou cirurgia de redução de estômago). Lembrando que esta pessoa possui 309 kg! Ou seja, dificilmente ela conseguiria emagrecer sem uma intervenção cirúrgica um pouco mais radical.

- E tudo isso em paralelo com uma clínica de emagrecimento, com o acompanhamento adequado de nutricionistas e médicos ;-)

- Finalmente, quando estivesse com o peso estabilizado ou estável, pensaria-se em cirurgias plásticas para remover o excesso de pele ou mesmo cirurgias apenas de cunho estético, para melhorar a autoestima do paciente.

Deste modo, provavelmente, esta pessoa viveria por muito mais tempo e de forma saudável.

Mas por mais lógico que este raciocínio possa parecer, nossos políticos (e boa parte das pessoas) não conseguem desenvolver este mesmo raciocínio para uma cidade.

Eles não pensam em resolver o problema, que neste caso é a obesidade mórbida, mas sim, tentam encontrar maneiras paliativas (ou temporárias) de continuar mantendo esta pessoa viva (mesmo que seja deitada em um estado quase vegetativo) e comendo feito um PORCO!

Cidades como São Paulo, devem ser tratadas como pessoas que possuem obesidade mórbida, ou seja, através de:

Reeducação alimentar: ou reeducação da população para o uso de meios de transporte alternativos, como a bicicleta

Cirurgias bariátricas: ou redução de faixa para automóveis, construção de ciclovias, aumento de calçadas para pedestres

Clínica de emagrecimento: ou aplicação de multas e fiscalização correta no trânsito

Cirurgias plásticas: ou embelezamento e aumento de conforto dos meios de transporte públicos

Loucura?!

A solução para reduzir os congestionamentos nas grandes cidades não é dar mais espaço para carros, mas sim, fazer exatamente o oposto, ou seja, reduzir o espaço deles, e dando mais espaço para bicicletas e pedestres!

- Mas será que isto é loucura?
- Loucura é continuar alimentando a cidade com cada vez mais carros e construindo viadutos ou obras mirabolantes, que simplesmente adiam por alguns meses o próximo infarto.
- Isso sim é loucura!

... ainda não acabou! Este post continua na próxima página, clique aqui ;-)

banner_doe_550Ajude a manter o Canal do Otário, faça uma doação! Basta clicar aqui ;-)

76 comentários

  1. Mahatma Hasteeroi Guevara

    Contra obesidade podemos utilizar exercícios físicos e esperar o melhor resultado. O país precisa marchar, juntos e com o mesmo objetivo. começaremos a cortar algumas besteiras (como foi salientado no contexto).

    E contra políticos e autoridades corruptas, podemos cortar a força por baixo (visando a classe trabalhadora que é a que traz ou aumenta o capital) vestidos ou munidos de honestidade, justiça e transparência. Não cooperando sob hipótese alguma, exceto se houver cooperação!

    o que acham? (feed back, please!)

  2. 2 palavras chaves que você usou que torna isso impossível de fazer no Brasil:

    – Economia de combustível
    – Aquisição de Carros

    Os lobistas jamais deixariam isso acontecer, sei disso pq no meu estado, tem 50 anos, isso mesmo 50 anos que a família Vuolo(se não me falha a memória) tenta trazer a ferrovia para facilitar e reduzir os gastos com a escoação da soja, mas os lobistas das empresas de Pneus e Caminhões não deixam.

    Os interesses de poucos, acabam prevalecendo nesse governo corruPTo

  3. “SE” as leis existentes fossem aplicadas e respeitadas ñ precisaria de faixa p ciclistas, qualquer ciclista seja habilidoso ou não conseguiria andar em qualquer via de Sampa se os motoristas tivessem zelo e respeito por ele, se o motorista entendesse que uma bike na rua é um carro a menos a coisa melhoraria, eu ando de bicicleta desde os 14 anos (21 anos) e hoje ñ vou de bike a quase lugar algum por temer o transito, tenho um Jeep grande c pneus enormes e a diferença de tratamento do transito quando estou a pé ou de bike é monstro. Uma campanha bem feita sobre o art.201 do Código de Trânsito que diz que um veículo ao ultrapassar um ciclista deve manter 1.5 metros de distância, já ajudaria, como o Otário bem falou tem gente que ñ sai de casa de bike por medo, o cara tem habilidade, pulmão e perna, mas o desrespeito pela vida desanima qualquer biker.
    Acho q seria legal um vídeo sobre a cultura criada onde o q tem carrão é mais poderoso q aquele q vai a pé, bike.
    Parabéns Otário, vc é o cara, boas pedaladas irmão!

    Drummond

  4. Até que enfim as pessoas estão tomando consciencia do uso da bicicleta. Menos dona Dilma que facilita mais o financiamento dos autos (como se carro salvasse) e diminuição no preço dos combustiveis. Não sou contra os carros mas sou a favor da boa utlização deles. Infelizmente vemos mais carros nas ruas e cada vez mais vazios. A politica da boa vizinhança de usar a carona ou o uso comunitário do carro entre mais de uma pessoa não existe. Carro hoje em dia significa STATUS!. Uso bike pq não aguentava mais ficar dentro de uma lata parada e poluente.

  5. Concordo com as ciclovias. Porém não da pra dizer PNC em quem usa carro, cada caso é um caso. Porém quem utilizasse esse tipo de transporte seria beneficiado sem dúvidas. Transporte alternativo é uma alternativa, não o salvador da pátria.

  6. Quando se quer fazer as coisas não precisa nem alterar os que tem, bastavam fazer ciclovias aéreas na forma de passarelas totalmente independentes do transito, dinheiro, condições, capacidade, e espaço pra isso temos de sobra, o que falta é boa vontade de quem tem o poder para fazer. Mas acredito que eles passam 300 dias do ano estudando como roubar mais e colocando em prática, 1 dia fazendo alguma melhorazinha pra enganar otários e 64 de férias!!!!

  7. Otário, acho que você tem uma visão muito “demonizada” do carro. Porém concordo com algumas das ações que você sugere para melhorar o trânsito, com algumas ressalvas. Em primeiro lugar, hoje em dia ir de bicicleta é mais rápido porque os carros ficam presos nos engarrafamentos, mas quando a maioria das pessoas fosse usar bicicletas, aí ir de carro não voltaria a ser mais rápido ?? Bicicleta não é sempre mais rápido, somente quando os carros enfrentam muitos congestionamentos.

    Depois, o que você trata como “embelezamento”, considero primordial: melhorar o transporte público. Ônibus, metrô e trem, se fossem opções melhores, evitariam o uso dos carros, e seriam usados por quem não pode pedalar muitos quilômetros até o trabalho (situação da maioria das pessoas, que se desloca da cidade-dormitório em que reside até a capital)… Se houvessem mais linhas, que interligassem mais inteligentemente a cidade (a maioria das linhas está no padrão qualquer-lugar-centro, passando por muitas vias principais e contribuindo para os engarrafamentos, em vez de usar vias alternativas), se as passagens fossem mais baratas, se os veículos tivessem mais conforto, e se houvessem mais veículos nas linhas. Pode parecer absurdo: colocar mais ônibus nas linhas a baixar a passagem ?? vai piorar a lotação que já é horrível no transporte público, principalmente no horário de pico. Mas creio que aconteceria o contrário: Com mais ônibus e mais baratos, mais pessoas se sentiriam incentivadas e usá-los e deixariam os carros de lado, num círculo vicioso.

    Por fim, bandido é bandido, com carro ou sem. E quem polui é o carro, mas quem dirige é o motorista, apesar de se chamar AUTOmóvel. Portanto a culpa não é do carro, mas sim do pensamento coletivo de andar de carro, do status. Só quando o povo perceber que ninguém é mais gente porque comprou um carro, aí sim vamos ver o boicote às montadoras que você sugeriu e que assino embaixo.

    Posto meu comentário aqui como forma de debate, a fim de tentar contribuir de alguma forma pro seu ótimo trabalho. Parabéns.

  8. Veja propostas para Londres /watch?v=HgiEspxp9PQ#t=34

  9. esse é o pais que vivemos , dinheiro para os corruptos desviarem tem , más para mexer nas estradas não tem
    ACORDA BRASIL.

  10. Falta de sinalização, pistas inadequadas, asfalto esburacado, risco de atropelamento… Muitos são os fatores que fazem com que andar de bicicleta nas cidades seja um desafio diário para os ciclistas – principalmente se eles vivem em locais onde as magrelas ainda não são vistas como meio de transporte diário e não têm espaço no trânsito.

    Para tentar oferecer mais segurança àqueles que pedalam no dia a dia, o arquiteto dominicano Richard Castillo* projetou a Bicimetro Eco Bahn, uma ciclovia suspensa, que fica metros acima da rua, evitando que as bikes tenham que disputar espaço com outros veículos, como carros, motos e ônibus.

    Outros profissionais, como o arquiteto inglês Sam Martin, já idealizaram ciclovias suspensas (lembra da SkyCicle?), mas o projeto de Castillo tem um diferencial: além de oferecer mais segurança aos ciclistas, produz energia limpa.

    A ciclovia possui, em toda a sua extensão, turbinas eólicas e painéis fotovoltaicos, que garantem que a estrutura produza energia eólica e solar durante todo o dia, enquanto as pessoas pedalam de um lado a outro da cidade.

    Por enquanto, o projeto é, apenas, um protótipo, mas é inevitável imaginar como seriam as cidades com ciclovias suspensas.

    Veja o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=ZHUvbEoRh5I#t=0

  11. O que pensam sobre o transporte coletivo em massa?

  12. texto perfeito, este seria o caminho,m porém no BRASIL há a famosa máfia dos automóveis e montadoras, aqui se vende o carro MAIS CARO DO MUNDO, gerando lucros exorbitantes para fora do pais nas matrizes da montadoras de automoveis, estas montadoras por sua vez ajudam politicos (no jeitinho) e nas campanhas, portanto não há interesse em parar a venda de automoveis!

  13. Otario, faltou apenas falar também do incentivo as caronas, pois a grande maioria dos carros estão sempre apenas com o motorista, sempre tem alguém para oferecer ou pegar carona no trajeto para o trabalho. E parabéns pela matéria.

  14. São medidas necessárias, mas, não resolvem completamente os problemas de transporte de uma grande cidade como São Paulo.
    Uma cidade desse tamanho precisa de, além dessas alternativas, um transporte de massa de grande velocidade, comumente suprido pelo metrô, que proporcione o cruzamento da cidade em cerca de 30 minutos. Não acho que metrópoles desse porte devam se contentar com ônibus como meio de transporte de massa, mas, devem compor o sistema. Além disso, para incentivas as pessoas a andarem de ônibus é necessário aumentar a quantidade e a qualidade dos veículos logo no início do plano. Hoje, são insuficientes e muito desconfortáveis.
    As faixas de ônibus são muito desrespeitadas, principalmente por motoboys. Portanto, apenas pintar faixas na rua (como vem fazendo nosso “querido” prefeito Haddad) e dizer que é um corredor não adianta nada. Um corredor tem que ser estruturado para isso com asfalto de boa qualidade, largura necessária para que o ônibus faça curvas sem ocupar a faixa ao lado, ter pontos de ônibus e estações de transferência adequados, etc.
    Quem sabe daqui uns 20 anos tenhamos políticos menos sem vergonha que incentivem o uso de carros elétricos, já que esse que aí está há muitos anos não o fez.

  15. Entendo que os problemas não são resolvidos, porque se forem, os políticos, autoridades não terão como continuar roubando! Ha alguns meses atrás saiu uma matéria se não me engano no programa Fantástico, uma ciclovia construída às pressas em Brasília dessa forma que vc citou, não ligava nada a lugar nenhum e o traçado passava no meio de árvores aumentando ainda mais os custos da obra pois elas teriam que ser derrubadas e ainda causando dano ambiental. Os idealizadores desse projeto alegaram que a sociedade e especialistas foram consultados e os especialistas (engenheiros, ambientalistas, arquitetos) disseram que ninguém os procurou! Em resumo: roubo na cara dura!
    Hoje no programa Matéria de Capa da TV Cultura, mostrou em vários países da Europa que utilizam uma espécie de Super Bonde Elétrico pois são de 2 ou 3 vagões, mesmo as cidades tendo linhas de Metrô adequadas, dentre outros projetos. Acredito que tudo nasce da conscientização das pessoas a respeito de política, de serem mais participativas; a Justiça Brasileira ser mais eficiente; as leis que estão inadequadas e atrasadas pois existem leis da década de 40, serem atualizadas para nossa sociedade letárgica, egoísta, apática, individualista e recheada de corruptos na sociedade civil e política!
    Espero que a faísca de mudanças já tenha começado com os protestos de Junho, inflamados pelo seus vídeos e site em minha opinião!
    Um forte abraço!

  16. otário tudo bem?
    Mal sabe vc que esses 309 km de congestionamento, na verdade chegou a 312 km por volta das 19h daquele fatídico dia 14
    Eu adoraria vir todo dia trabalhar de bike tbm, mas além de difícil por falta de ciclofaixas adequadas, também é perigoso na região central da cidade principalmente a noite, que é o horário que eu volto pra casa. MAs concordo com tudo o que vc disse e estudou pra saber e expor aqui. Eu li um comentário anterior de um leitor que disse que por conta de lobistas, economizar combustível e deixar de adquirir automóveis, torna muito mais difícil a nossa vida. O interesse de uns, prejudicando centenas de outros.
    Ahhh e por acaso o nome do “J” ênio também é com J de J ilmar Taato, presida da CET

  17. Tema mais que pertinente!

    Em tempos em que carros possuem impostos mais baratos frente as “pobres magrelas”, tá mais do que na hora de fazer um vídeo sobre o assunto

    E irei compartilha-lo com muito gosto :D

    Abs

    Kiko Molinari

  18. Vamos pensar…
    No Brasil corrupto ganha de todas as maneiras possíveis e, falo não somente de políticos, falo também da revendedores e fábricas de carros que cobram um absurdo aos brasileiros por carros construídos aqui (os mesmos carros custam praticamente a metade do preço lá fora, brasileiro só TNC), de maneira alguma eles deixariam isto acontecer por eles perderiam com isso, e quem é que perder aqui? Ninguém não é?
    Pois é, e o que dificulta mesmo esta estratégia é o poder de compra que se dar aos “OTÁRIOS”, digo brasileiros que pensam, posso comprar vai caber na mensalidade… Mesmo sem pensar nos custos. Mas como pra tudo tem solução, eu acho, o que poderia ser feito seria uma maneira de dificultar a obtenção destes carros, diminuindo assim o número de carros, e quer outra maneira? Seria dificultar manter este carro, isso mesmo dificultar manter este carro encarecendo alguns itens, manutenção… Porque só assim estes mesmo ficariam na garagem.

  19. Otário, quando puder divulgue esse video pra galerinha! Ele conta sobre as ciclovias na Holanda, é muito relevante! Um abraço

    http://www.youtube.com/watch?v=l1a_USVlXSE

  20. Boa noite, Otário.

    Parabéns pelo tema. E também parabéns pelas propostas. Estão todas corretas. Realmente será muito importante se vc fizer um vídeo a respeito para reforçar o assunto. O negócio é semear repetidamente.

    Por coincidência (ou não), este feriado fui para o Interior de SP, na chácara da minha sogra. Recusei a carona da minha namorada e fui de bike.

    Fiz a integração metrô/trem, com a bike dentro e depois fui pedalando mais 13 Km, da cidade vizinha até o destino, curtindo a paisagem, tirando fotos – claro, escolhendo um caminho com menos subidas, mesmo sendo mais longo. ;-)

    Resultado final: Cheguei muito feliz na chácara, cheio de bons momentos. Enquanto a minha namorada, chegou P da vida, xingando, porque pegou um trânsito infernal, passou um calor tremendo dentro do carro parado e gastou o triplo de tempo e gasolina para chegar à chácara. Rs!

    Bicicleta, com integração em metrôs e trens, a gente vai aonde quiser e muito, mas muito mais longe.

    • Um bom ponto a ser acrescentado é essa integração da bicicleta com o transporte público. Se o sujeito mora longe do seu trabalho, poderá em certos pontos pegar um transporte coletivo em que ele possa transportar sua bicicleta.

    • Pedro você é o cara!! O país precisa de mais pessoas que sabem valorizar o tempo aproveitando a paisagem que encontra pelo caminho e que tem coragem de utilizar as próprias pernas para se locomover, ao invés de ficar parado no engarrafamento pelo simples comodismo de um ar-condicionado e um som automotivos! Fiquei com uma dúvida, a a tua bike é dobrável? No metrô daí é permitido entrar com bikes todos os dias?

      E como Leonardo falou, a intermodalidade é pra mim a melhor solução para os problemas do trânsito hoje em dia.

      • Bom dia, Havans. Obrigado pelas palavras.

        A minha bicicleta não é dobrável. Mas aqui em São Paulo é permitido o transporte de bikes no metrô e nos trens em horários restritos: de segunda à sexta, das 20:00 hs até 00:00 (encerramento do funcionamento das linhas), aos sábados, a partir das 14:00 hs até o encerramento das linhas e de domingos e feriados, durante todo o horário de funcionamento, que começa às 04:30 hs da manhã.

        No caso que eu citei, foi num feriado que viajei com a bicicleta no metrô e fazendo baldiação para os trens, à partir da Estação da Luz à Campo Limpo Paulista, já bem fora da Capital.

        Mas aqui já existe um movimento de cicloativistas junto com a Frente Parlamentar de Mobilidade Humana, da Câmara Municipal de São Paulo, discutindo propostas para viabilizar o uso da bike como opção de transporte, inclusive com integração ao transporte público.

        Visite o site http://www.bikeelegal.com.br, e conheça as reportagens e projetos, inclusive fora de São Paulo, em várias regiões do Brasil. Também existe a página no Face – https://www.facebook.com/BikeELegal. Siga.

        Abraço.

        • Estou vendo o link que você passou do bikeelegal. Muito bom mesmo!!!
          Aqui faço parte do grupo Bicicletada Recife e da Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife!! Essa integração entre os grupos de ciclistas de todo o país é extremamente importante!!
          Abraço!

    • Gostaria de acrescentar alguns pontos importantes para a reflexão dos amigos sobre o uso da bike como meio de transporte, inclusive em São Paulo:

      – Bike boa para pedalar, deve ter no mínimo 21 marchas, em especial, as marchas de subidas. 24 marchas é o ideal. Ao contrário, nos supermercados e magazines encontramos a maioria com apenas 18 marchas e com bancos duros. Isto desistimula quem pega uma bike destas e nunca andou numa de qualidade, com mais marchas e selim confortável. Assim como o Collor um dia disse sobre os carros, precisamos acabar com essas carroças que vendem em supermercados e começar a comercializar bicicletas de qualidade.

      – Pedalar 1 Km de bicicleta, equivale o esforço aproximado de andar 100 metros. E numa boa bike, a distância pode equivaler a bem mais.

      – Para subidas íngremes, sempre há um caminho mais longo, mas mais suave. E na pior das hipóteses, existem as bikes elétricas, um ótimo investimento de transporte, inclusive para longas distâncias.

      – No caso de integração com o transporte público, já existe soluções bem simples e inteligentes, como a deste link aqui em baixo:

      http://www.cidadessustentaveis.org.br/noticias/tr

      – No mais, basta olharmos para os Países de Primeiro Mundo. São tendências que começam a acontecer e chegarão aqui, como tudo que já chegou e faz parte do nosso cotidiano. Eis alguns exemplos e uma reportagem de um estudo feito no México:

      http://www.projetoresponsabilidade.com.br/blog/bi

      http://www.espn.com.br/noticia/373699_quanto-cust

      Um abraço a todos. :-)

      – Para quem há muito tempo não anda ou nunca andou de bicicleta, é importante lembrar que 1 km “pedalado”, equivale há menos de 100 metros camminhado

      • Perfeito Pedro!
        E ainda acrescento redução de IPI para as bikes. Não redurizam para carros e eletromésticos?
        Não em Sampa,mas aqui em Recife os preços das bikes aumentaram absurdamente, pois as lojas estão aproveitando o boom do ciclismo (principalmente de fim de semana)aqui e estão explorando os ciclistas.

  21. Eu também concordo, o sistema de transporte tem que ser repensado, olhar o que esta gerando o problema e combate-lo, com medidas novas, esta muito bem explicado o texto! Uma campanha nacional independente, acordaria os olhos de muitas pessoas que não enxergam isto.

  22. adilson carvalho cavalle

    Bom dia Otários!!!!

    Experiência própria a cerca de três anos atrás residia na zona leste (São Matheus) e trabalhava na zona norte norte (Vila Maria), quando saia de transporte público demorava aproximadamente 02 horas, sendo que indo de bike chegava em 47 minutos.

    Benefícios; quais sejam:

    acordava mais tarde;
    condicionamento físico (na época focava em competições);
    redução de estresse;
    sensação de não ser um otário parado dentro de um carro em virtude do congestionamento.

    Sugiro que além dessas medidas elencadas o governo poderia reduzir o tributo IPTU para as empresas que oferecerem aos seus funcionários banheiro e estacionamento seguro.

    Posta um vídeo nessa p****!!!!

  23. Otário, esse texto DEVE virar vídeo! Essa ideia tem que ser compartilhada!
    A maior dificuldade pra tornar isso tudo real, é que os benefícios que você apresenta são exatamente os maiores temores dos governantes. Vender menos carro, menos gasolina, menor gasto com manutenção das ruas e avenidas, menor necessidade de viadutos, metrôs e obras faraônicas seria um TERROR pros nossos governantes, que não teriam mais tantas obras para superfaturarem (e também para se reelegerem, já que os caras que constroem viadutos e asfaltam ruas sempre são votados). Sim, essa seria a solução pro nosso sistema viário, mas não tenho fé de que os políticos permitiriam algo assim!

  24. Não acredito que o problema seja resolvido apenas construindo-se ciclovias e aumentando calçada pra pedestre… Se fosse apenas isso seria fácil. O problema maior é de infraestrutura, e nem de conforto, como você falou. O que falta é metrô, transporte de trilhos, que cubra maior parte da cidade, de preferência como é nas grandes cidades da Europa. Como isso é algo difícil e demorado de ser feito, os políticos, que gostam de maquiar coisas pra conseguir votos, preferem construir viadutos, implantar faixa exclusiva pra ônibus e chamar isso de solução. Gastam-se milhões e nada muda, continua na mesma.

    Concordo que existe aí também uma questão de comodismo das pessoas. Um grande exemplo é um bairro de alto nível aqui no Rio, a Barra da Tijuca. As pessoas vivem em condomínio fechados, e quando saem na rua vão de carro. O bairro é construído pra ser assim. Resultado: O trânsito é horrível porque tem muita gente andando de carro. Quando foi feriado do funcionário público o trânsito estava ótimo. Por que será? Por que as pessoas preferem pegar o seu carro e ir trabalhar do que pegar o metrô ou o ônibus pra fazer o mesmo? Simples, porque não há qualidade no serviço prestado. O metrô anda lotado e sem ar condicionado, os ônibus pegam trânsito e andam lotados também. Houve uma promessa do prefeito que a passagem aumentaria e todos os ônibus do Rio teriam ar condicionado, e o que aconteceu? Nada, continua tudo na mesma.

    Então é negócio é observar e ver realmente a causa de todos esses problemas aí.

  25. Engraçado que sempre que os “especialistas” opinam sobre transporte urbano sempre vem a ideia pavorosa de que as pessoas devem pegar ônibus ou então que andem de metrô (que obviamente não seriam “obras faraônicas”, né?) demonizando automóveis e esquecendo-se completamente da motocicletas, que são sim a melhor alternativa de transporte hoje, principalmente para quem ainda não pode ou não quer ter um automóvel.

    Bicicletas? por favor, a Holanda é o único lugar do mundo onde isso pode dar certo por vários fatores, priorizar as “bikes” (pessoalmente acho horroroso este termo da moda) reduzindo as faixas dos automóveis e motocicletas é simplesmente aumentar mais os congestionamentos, já que as pessoas simplesmente NÃO QUEREM usar este meio de transporte em sua maioria.

  26. Moro em Brasília, aliás nasci aqui. Até há alguns anos eu me vangloriava em morar numa cidade grande que não tinha problemas com trânsito. Mas, de vinte anos pra cá a coisa degringolou de um jeito que hoje eu quase tenho que fazer Yoga para ter paciência de enfrentar um pequeno trecho das largas avenidas daqui em horário de pico. Aqui em Brasília nós ainda temos um agravante. O transporte público aqui é um LIXO!!! O metrô atende a 1% da população. Os ônibus são ineficientes e apenas os táxis é que poderiam amenizar a situação, mas como aqui tudo é longe de tudo, uma corrida simples sai muito caro. No momento estão fazendo algumas pontes de safena no trânsito daqui com vistas à Copa do Mundo. Mas, e depois? Como será?

    Eu acho que as bicicletas amenizariam o problema, mas não seriam a solução. Ninguém as usariam em tempos de chuva. Por isso, em conjunto com a adoção das magrelas, um efetivo sistema de transporte público permitiriam que os veículos fossem usados apenas para o lazer e aos finais de semana.

  27. Bom dia Otário!!
    Texto maravilhoso!! Compartilharei com todos os meus amigos ciclistas e não ciclistas.
    Concordo com a construção de ciclovias e de calçadas e espaços descentes para os pedestres, porém acho que seria uma alternativa, mas não uma solução. Pois, infelizmente em uma cidade como São Paulo, em que tudo é muito distante, ficaria inviável para alguma pessoas irem a pé para seus destinos.
    Moro em Recife, que a cada dia se torna mais caótica, com um trânsito dos infernos.
    Recife é uma cidade que tem a característica de ser plana, logo, não tendo barreiras físicas para a utilização da bicicleta como meio de transporte, porém a falta de educação dos motoristas metem medo em muita gente. Pedalo diariamente, de casa para o trabalho, para fazer compras, etc, porém confesso que é uma teste de coragem pedalar por aqui.
    Como geralmente os locais são próximos dos bairros residenciais, é possível realizar percursos a pé, mesmo com o calor que aqui faz, porém as calçadas são terríveis.
    Logo, como o texto fala, o caos no trânsito não é apenas “privilégio” de São Paulo!!
    Abraço a todos!!

  28. Grande parte desse caos se deve ao que eu chamo de Febre Automotiva, que assola a população dessa cidade.

    Pessoas que trabalham pertinho de casa vão trabalhar de carro.

    Pessoas vão à academia a duas quadras de distância de casa de carro.

    Casais vão jantar juntos, cada um no seu carro.

    Pessoas que vão simplesmente… andar de carro.

    Propagandas de carro cada vez mais agressivas, que só faltam jogar na nossa cara que somos FRACASSADOS na vida se não temos um carro.

    IPVA altíssimo.

    Se espirrar muito alto na pista da direita, MULTA!

    Sem contar que no Brasil qualquer carrinho lixo custa MUITO MAIS CARO do que em qualquer outro lugar do mundo.

    E sobre o valor dos seguros, nem preciso comentar.

    O que precisa ser feito – e que NÃO SERÁ FEITO, por não ser conveniente para quem está ganhando rios de dinheiro com essa situação – é DESESTIMULAR A COMPRA DE CARROS E MOTOS. E melhorar o transporte coletivo, é claro.

    Não sou nada otimista. Acho que o paulistano vai continuar comprando cada vez mais carros, e vamos enfrentar cada vez mais trânsito.

    • Concordo plenamente com você Adriana! Os governos incentivam a compra de automóveis, baixando IPI, aumentando o crédito, etc, tudo isso para dar vazão à indústria automobilística. Eles estão nem aí para o problema do trânsito, pois só andam de helicóptero.
      Aqui em Recife está do mesmo jeito. O transporte público é péssimo, daí muita gente prefere se apertar e passar de 4 a 5 anos pagando uma prestação absurda pra passar cerca de 1 hora e meia pra percorrer 6km. Eu falei, míseros 6 km.
      Há cerca de um ano adotei a bicicleta como meu transporte diário, por não aguentar ficar presa nesse caos. Vendi meu carro, que só me dava estresse. Antes eu levava cerca de 1 hora pra chegar ao trampo de carro, e 1 hora e meia de ônibus (lotado e com funkeiros tocando som alto no celular sem fone de ouvido). Hoje levo 20 minutos para chegar ao trabalho de bike, e ainda perdi peso.
      Mesmo sendo entusiasta da bike, pra mim a solução não está nas magrelas, elas são alternativas para sair do caos. A solução mesmo, é transporte público de qualidade.

  29. Muito interessante ter lido este artigo logo hoje. Como tenho a possibilidade de pegar mais cedo no trabalho, faço isso pra fugir do trânsito. Estava hoje no ônibus, que fazia seu trajeto normal sem retenções. Quando chegamos numa via mais expressa aqui no Rio me deparei com um senhor ciclista. Passamos por ele de ônibus 3 vezes e, ao chegar no final da via, o ciclista ultrapassou o ônibus. Isso me fez questionar se, mesmo num horário com pouco trânsito que eu pego, não seria mais vantajoso andar de bicicleta. Minhas maiores dificuldades de adotar este transporte seriam a distância grande de minha casa ao trabalho e a insegurança de andar entre os carros num mundo de pessoas cada vez mais mal educadas.

  30. Cara eu queria te ajudar, mas 33 reais numa caneca é um pouco fora de base hein!

  31. Otário, dessa vez você foi um pouco além das sandálias. Definitivamente em SAO PAULO (a cidade), esqueça(!!!), bicicleta NUNCA foi alternativa de transporte. E porquê digo isso? Pelo simples fato que a cidade paulistana é estabelecida em um planalto, sobre uma serra a 700m do nível do mar, em região montanhosa. Assim, a cidade tem ladeiras, bairros altos e bairros baixos e subir e descer ruas que historicamente foram construídas estreitas (e com calçadas também estreitas, exigiria enorme esforço do condutor. Lembre-se: 90% da população não tem preparo físico para isso. São Paulo também é, pelo seu nível de desenvolvimento, uma cidade com muitos idosos, ou ainda pessoas mais velhas, que teriam enorme dificuldade em usar bicicleta. Bicicleta, ou o “bikeismo” virou modinha de meia dúzia de esportistas que querem pq querem que todo cidadão seja tbm um esportista. Orra meu! (expressão bem paulistana) É na verdade um perigo o uso de bike em meio de ônibus e caminhões numa metrópole de 12 milhões de habitantes! É apenas um recurso alternativo para uma pequena parcela de esforçados fisicamente. Não é SOLUÇÃO alguma. Fazer ciclovias em determinadas regiões, ligando pontos importantes – bairros claramente habitacionais até hubs de transporte coletivo ou até bairros comerciais até ajuda, mas isso em regiões PLANAS, coisa que nossa cidade possui com certa escassez. Ponto-parágrafo:
    Você sabia que quase 40% dos veículos não tem seu licenciamento pagos e ninguém fiscaliza nada? Pois é… O cidadão compra carro mas depois não tem condições de pagar suas taxas. Tampouco a manutenção. Aí, na maioria das vezes são exatamente essas carroças velhas que ninguém fiscaliza (nem no CONTROLAR eles passam) que geralmente quebram ou se envolvem em acidentes. E para toda uma artéria de escoamento de trânsito importante, que reflete em outras ruas e avenidas. P****! Se houvesse fiscalização PESADA, DIÁRIA, com recolhimento para o pátio de carroças velhas e carros até novos mas que não pagam suas taxas devidas, só aí já se retiraria uns 20% de carros/caminhões da cidade. Nem precisa fiscalizar toda a cidade, É SÓ FISCALIZAR AS PRINCIPAIS ARTÉRIAS COM TOLERÂNCIA ZERO. Isso afugentaria dos principais corredores quem não paga o que todo mundo paga para rodar. Também espantaria as sucatas ambulantes desses corredores. Já aliviava um monte! já diminuiria em pelo menos 50% o números de veículos quebrados nas avenidas importantes, panes secas, batidinhas pq o cara nem pneu decente tem no carro… Só que é “anti-popular”… E no país do “socialmente-coitadismo-correto político nenhum tem culhão de fazer isso. Quanto ao transporte público, bom, nesse quesito basta ter ônibus limpo, pontual e com motorista bem pago que melhora bastante o serviço a atrai mais gente para o sistema. Quem gosta de pegar um busão cheio, lotadaço, para como sardinha ir de caso ao trabalho ou vice-versa? Aqui no Brasil ainda usamos ônibus de mentirinha, que nada mais são que caminhões encarroçados como ônibus. Motor na frente, suspensão de caminhão, caixa de câmbio manual e barulheira ali ao lado da orelha do pobre motorista. Tinha que ser ônibus de verdade, como os de uso rodoviário, onde o motor vai atrás, longe do motorista e no mínimo com cambio automático para não desgastar tanto o pobre do profissional que conduz, não estressando-o e com isso garantindo menos solavancos. E horário!!! Em outros países os ônibus obedecem horários certinhos, vc pega o mesmo motorista sempre ao ir pro trabalho ou escola. Aqui vc tem que esperar passar dois ou três ônibus lotados pra conseguir entrar em um. São sujos, chacoalham, barulhentos, e os motoristas, com razão, nervosos. Fazer grandes obras viárias faz parte também da solução, pois há problemas que só com obras viárias se resolve. Mas tem que ser feito com rapidez, e bem feito. Nos EUA vc compara a qualidade de asfalto, a largura das ruas e calçadas, a rapidez das obras e vê quanto primitivo é isso aqui chamado BREJIL. Em São Paulo em particular fazer o RODOANEL por exemplo é fundamental para tirar da cidade milhares de caminhões de carga que atravessam a cidade apenas de passagem em viagem do sul do páis para o norte e vice-versa. Tem que ter um anel que jogue para fora da cidade esse transito pesado mesmo. Aliás, já precisa fazer o rodoanel do rodoanel. Já deviam estar pensando nisso. Metrô e trens também precisam ser constantemente ampliados e melhorados. No Rio de Janeiro o sistema de trans é uma piada. Metrô, uma vergonha nacional o país ter tão pouco KMs de linhas se comparado a qualquer paiseco. Até Buenos Aires tem muito mais metrô que qualquer grande capital brasileira. Bom, na verdade, metrô de verdade mesmo só tem em São Paulo, pois no resto do brasil, onde há metrô, e são poucas capitais, são linhas minúsculas, ridículas. Linhas com 10Km… isso lá é Metrô??? Esquece essa história de bike, pq isso não é solução, é apenas uma demanda de uma tchurminha de poucos abnegados em fazer exercício. Não é meio de transporte em cidade com tantos morros e montanhas.

  32. Ando de Bike todo dia de um bairro a outro aqui no Rio, Tempo que gasto para ir lda de Bike = 1h:10mim de ônibus 2h:20mim. (sem transito)

    Quando falo que vou de bike as pessoas dizem que eu sou louco, elas não veem distancia como KM mas sim o tempo que demora o ônibus.

    Acham que eu pedalo durante 2h:20 a 3h:00 sem parar.
    A distancia de bike é 23 km
    Rodo 46 km indo e voltando.

    Levo 1 hora e 10 minutos, sem ciclovia imagina se fosse todo o trajeto com ciclovia?
    Note que aqui no RJ estão fazendo um corredor expresso de Ônibus, que justamente e todo esse trajeto de 23 km que eu faço. só fico perguntando por que juntamente com essa nova pista 2 de onibus e 3 de carros, não fizeram uma ciclovia ? Jenios!!!!

  33. Aqui em São Paulo, nos temos um problema que precisa ser atacado por várias frentes. As bicicletas são alternativa para quem reside próximo ao trabalho, e só para essas pessoas, porque SP não é uma cidade plana e tem distâncias muito grandes entre a moradia e o trabalho. Mas existe um ponto que você não citou, e que na minha opinião é um dos maiores problemas e um símbolo da incompetência no trânsito de SP. A C.E.T demonstra uma brutal falta de preparo ou vontade de contribuir na melhoria do trânsito. Basta uma leve chuva que seus agentes desaparecem, suponho que eles sejam de açúcar… Os semáforos não tem sincronismo, e isso piora exponencialmente o trânsito por tirar a fluidez das vias. Enfim, em SP a coisa é mais complexa que aparenta, e a C.E.T. da a impressão que só esta nas ruas para aplicar multas.

    • Aqui em Recife temos a CTTU, e acontece a mesma coisa que os agentes da C.E.T. fazem. Eles simplesmente somem, e quando estão nas ruas, passam o tempo inteiro conversando potoca ou falando ao celular!!

  34. Censurou meu comentário? Ele desapareceu! segue de novo pois acredito ter sido erro do sistema, vamos lá…. Definitivamente em SÂO PAULO (a cidade), esqueça, bicicleta NUNCA foi solução de transporte. E porquê digo isso? Pelo simples fato que a cidade paulistana é estabelecida em um planalto, sobre uma serra a 700m do nível do mar, em região montanhosa e tem tamanho de três municípios. Assim, a cidade tem ladeiras, bairros altos e bairros baixos e subir e descer ruas que historicamente foram construídas estreitas (e com calçadas também estreitas), exigiria enorme esforço do condutor. Lembre-se: 90% da população não tem preparo físico para isso. São Paulo também é, pelo seu nível de desenvolvimento, uma cidade com muitos idosos, ou ainda pessoas mais velhas, que teriam enorme dificuldade em usar bicicleta. Some-se a isso ainda o tempo instável da região, que tem chuva, frio, calor e poluição demasiado fortes. Bicicleta, ou o “cicloativismo” virou modinha de meia dúzia de esportistas que querem pq querem que todo cidadão seja tbm um esportista. Orra meu! (expressão bem paulistana) É na verdade um perigo o uso de bike em meio de ônibus e caminhões numa metrópole de 12 milhões de habitantes! Vejo como um recurso alternativo para uma pequena parcela de esforçados fisicamente e em situações específicas. Não é SOLUÇÃO alguma. Fazer ciclovias em determinadas regiões, ligando pontos importantes – bairros claramente habitacionais até hubs de transporte coletivo ou até bairros comerciais até ajuda, mas isso em regiões PLANAS, coisa que nossa cidade possui com certa escassez. Ponto-parágrafo:

    Você sabia que quase 40% dos veículos não tem seu licenciamento pagos e ninguém fiscaliza nada? Pois é… O cidadão compra carro mas depois não tem condições de pagar suas taxas. Tampouco a manutenção. Aí, na maioria das vezes são exatamente essas carroças velhas que ninguém fiscaliza (nem no CONTROLAR eles passam) que geralmente quebram ou se envolvem em acidentes. E paralisa toda uma artéria de escoamento de trânsito importante, que reflete em outras ruas e avenidas. P****! Se houvesse fiscalização PESADA, DIÁRIA, com recolhimento para o pátio de carroças velhas e carros novos mas que não pagam suas taxas devidas, só aí já se retiraria uns 25% de carros/caminhões da cidade. Nem precisa fiscalizar toda a cidade, É SÓ FISCALIZAR AS PRINCIPAIS ARTÉRIAS COM TOLERÂNCIA ZERO. Isso afugentaria dos principais corredores quem não paga o que todo mundo paga para rodar. Também espantaria as sucatas ambulantes desses corredores. Já aliviava um monte! já diminuiria em pelo menos 50% o números de veículos quebrados nas avenidas importantes, panes secas, batidinhas pq o cara nem pneu decente tem no carro… Só que é “anti-popular”… E no país do “socialmente-coitadismo-correto” político nenhum tem culhão de fazer isso. Quanto ao transporte público, bom, nesse quesito basta ter ônibus limpo, pontual e com motorista bem pago que melhora bastante o serviço a atrai mais gente para o sistema. Quem gosta de pegar um busão cheio, lotadaço, virar sardinha para ir de casa ao trabalho ou vice-versa? Aqui no Brasil ainda usamos ônibus de mentirinha, que nada mais são que caminhões encarroçados como ônibus. Motor na frente, suspensão dura de caminhão, caixa de câmbio manual e barulheira ali ao lado da orelha do pobre motorista. Tinha que ser ônibus de verdade, como os de uso rodoviário, onde o motor vai atrás, longe do motorista e no mínimo com cambio automático para não desgastar tanto o pobre do profissional que conduz, não estressando-o e com isso garantindo menos solavancos. E horário!!! Em outros países os ônibus obedecem horários certinhos, vc pega o mesmo motorista sempre ao ir pro trabalho ou escola. Aqui vc tem que esperar passar dois ou três ônibus lotados pra conseguir entrar em um. São sujos, chacoalham, barulhentos, sem ar-condicionado, e os motoristas, com razão, nervosos. Fazer grandes obras viárias faz parte também da solução, pois há problemas que só com obras viárias se resolve. Mas tem que ser feito com rapidez, e bem feito. Nos EUA vc compara a qualidade de asfalto, a largura das ruas e calçadas, a rapidez das obras e vê quanto primitivo é isso aqui chamado BREJIL. Em São Paulo em particular fazer o RODOANEL por exemplo é fundamental para tirar da cidade milhares de caminhões de carga que atravessam a cidade apenas de passagem em viagem do sul do país para o norte e vice-versa. Tem que ter um anel que jogue para fora da cidade esse transito pesado mesmo. Aliás, já precisa fazer o rodoanel do rodoanel. Já deviam estar pensando nisso. Metrô e trens também precisam ser constantemente ampliados e melhorados. No Rio de Janeiro o sistema de trens é uma piada. Metrô, é uma vergonha nacional o país ter tão pouco KMs de linhas se comparado a qualquer paiseco. Até Buenos Aires tem muito mais metrô que qualquer grande capital brasileira. Bom, na verdade, metrô de verdade mesmo só tem em São Paulo, pois no resto do brasil, onde há metrô, e são poucas as capitais que tem, são linhas minúsculas, ridículas. Linhas com 10Km… isso lá é Metrô??? Esquece essa história de bike, pq isso não é solução, é apenas uma demanda de uma tchurminha de poucos abnegados em fazer exercício. Não é meio de transporte em cidade com tantos morros e montanhas.

  35. acredito que esse esquema de bike seja legal mas apenas para um grupo muito pequeno…nao temos ainda a cultura de utilizar destes meios de transporte, principalmente a parte menos favorecida da populacao que ja sofre a tantos anos, acho dificil faze-los entender algo do genero…. na minha opiniao o que ajudaria e muito seria uma forma de baratear o transporte, algo como um bilhete unico para o dia td e que permitisse que vc utilizasse de qualquer meio de transporte publico durantes aquele dia, seja este ferroviario, aquaviario ou rodoviario, acho que seria um grande estimulo ao uso do transporte publico. Medida este nao isolada ja que deveria tb ser implementado pelo poder publico uma forçação de barra em cima das empresas de transporte publico para que diminuissem os intervalos entre trens onibus barcas e metros, fazendo circular mais veiculos para acomodar mais confortavelmente a populacao. Tabem acho importante principalmente de inicio estabelecer rodizio de carros para verdadeiramente forcar as pessoas a deixarem seus carros em casa, com multas a serem revertidas para melhoria da sinalizacao, condicoes de pista, no proprio( modernizacao para combustiveis menos poluentes) transporte publico ou seja tem que haver um forma ” saudavel” de fazer com que as pessoas deixem seus carros em casa e utilizem transporte publico pq na boa esperar que as pessoas o facam assim so pela consciência… nem rola…

  36. O grande problema para mim é a falta de um transporte público decente. Ônibus atrasa, é lotado, te joga de um lado para o outro, metrô sempre demora, das 17h30 às 19h30 você é mais encoxado que uma atriz p***ô.

    Se é para passar perrengue, prefiro passar no meu carro, que vou sentado e com ar condicionado. Se é pra me ferrar, que seja confortável do que em pé e cheirando suvaco do outro. E é assim que muita gente pensa. Se fosse um transporte de qualidade, com mais linhas, mais trens e ônibus circulando, onde todos pudessem gozar de algum conforto, com certeza os carros seriam menos utilizados.

    Se fosse assim bonitinho, eu só usaria de final de semana, pra viajar ou pra ir em alguma festa/barzinho. Mas todos sabemos que não é assim e não podemos ser hipócritas.

    Quanto ao uso das bicicletas ainda acho bem utópico, primeiro porque falta infra-estrutura que o próprio Otário citou e 2° – como muita gente citou – é complicado fazer um Tour de France de 50km todo dia (100km na verdade, ir e vir) indo de bairros como Parelheiros, São Miguel, Perus, etc para o centro da cidade. Lembre-se que nem todos têm condicionamento físico e que o Lance Armstrong usava bomba rs.

    Bicicleta serve para trechos curtos (até 10km vai) e que sejam majoritariamente planos. Fora isso é besteira achar que o senhor gordão de 55 anos vai deixar o Corolla (carroça vendida aqui como status) dele na garagem para se aventurar de bicicleta achando isso uma maravilha. Mas toda discussão é válida.

    • O problema Átila é justamente esse: O transporte público é ruim, e o que deve ser feito? Nos acomodar em automóveis enfrentando engarrafamentos gigantescos ou reivindicar um transporte de qualidade?
      O Brasil tá do jeito que tá por conta do comodismo da população, que vai continuar se ferrando!! Pois mesmo que você esteja no conforto do seu carro, está gastando rios de dinheiro com gasolina e elevando cada dia mais o seu nível de estresse.

      • O problema é esse: saber reivindicar. Não adianta fazer a revolta do busão, por 20 centavos e no final ganhar Lula, Dilma, Serra, Kassab, ou seja, tudo a mesma bost*, com o mesmo tipo de proposta.

        Eu me considero politizado e não vejo a bicicleta como solução, assim como citei acima. E sendo bem sincero, não uso carro durante a semana porque quero me sentir imponente, mas sim porque não to afim de ir em pé, chacoalhado e encoxado.

        É simples. Prefiro aumentar o número de carros nas avenidas para ter o meu conforto do que enfrentar perrengue. Vejo como solução, como falei, uma política séria de transportes. Londres é menor que SP e tem 3x mais linhas de metrô, por exemplo.

        É assim que a coisa funciona. Fora isso, a meu ver é hipocrisia dos “amantes do verde” e do “politicamente correto”

        • Aí é que tá Átila!! Se os protestos por R$ 0,20 foram o correto ou eficaz modo, não sei, mas esse pessoal saiu da frente do PC e foi às ruas lutar pelo que acreditavam, no lugar de se acomodarem e encher as ruas de carros. E veja o que você diz: ” Prefiro aumentar o número de carros nas avenidas para ter o MEU conforto do que enfrentar perrengue”. Você está pensando apenas no SEU conforto, no SEU problema, no SEU trajeto para o trabalho/casa/etc. Enquanto cada um pensar apenas no SEU prolema, TODOS passarão pelos mesmos perrengues.

    • Não sei se essa resposta foi, mas respondendo a você Havana. A grande mudança se dá na educação, numa maior politização do povo e nas urnas. Não adianta fazer revolta para depois votar nas mesmas pessoas. Só que uma população questionadora é a ruína de governos populistas que sempre estiveram presentes no Brasil (não só agora com o PT)

      No Brasil os impostos são de Noruega, mas o serviço é de África. No momento o que eu faço é ser consciente, principalmente nas urnas, analisar as propostas e não votar nos mesmos nomes. Devemos fiscalizar quem nós elegemos, mas essa fiscalização não é feita corretamente. Hoje em dia no Brasil a piada é levada a sério e o sério é levado como piada.

      Obviamente que se não há a infra-estrutura que eu desejo, vou pensar em mim. Não vou me expor a perrengues desnecessários. Hipócrita quem diz que pensa sempre no outro. Se todos pensassem no outro, os que pregam a igualdade, poderiam vender seus bens, como casa e carro e dividir com os menos necessitados.

      • Não é por nada não,mas “No momento o que eu faço é ser consciente” e “vou pensar em mim” pra mim são frases antagônicas em um mesmo texto.
        Mas tudo bem, cada um pensa noque quer!

  37. Vejo muita gente preocupada com as distâncias para usar a bike como transporte para o trabalho, estudo, etc…

    Existem alternativas para isto. Além das bicicletas elétricas (os funcionários de atendimento da Porto Seguro trabalham com elétricas nas ruas…) existem também alternativas de transporte de bicicleta para longas distâncias. Eis um bom exemplo:

    http://www.cidadessustentaveis.org.br/noticias/trem-de-cidade-alema-tem-vagao-externo-exclusivo-para-carregar-bicicletas

    Abraço a todos

  38. Cara, inventar a roda quanto a mobilidade é mostrar não querer. Não existe milagre, cidades cosmopolitas tem que ter metrô subterrâneo com linhas paralelas e perpendiculares em nível. Não há milagre!

    Ciclovias, skatevias, ou qualquer coisa desta não passa de esperança pra logística mas as grandes distâncias do Brasil e de suas cidades não comportam este tipo de solução aplicada a Irlanda, Suécia, Itália, etc.

    Sou de Salvador e trabalho viajando, atualmente estou morando a quase um ano em Teresina e vejo que todo lugar é a mesma coisa, aqui no Brasil a mão de obra mora nos extremos e as vagas de trabalho estão no centro ou em outras extremidades, ao invés dos lugares supracitados onde a mão de obra reside em quadras próximas aos seus trabalhos.

    Estou seguro de que não conseguiria de forma cotidiana, nem eu nem ninguém, pedalar da Estrada Velha para o centro (Salvador), do Benedito Bentes a Pajuçara (Maceió), ou do Mocambinho a Av. Frei Serafim (Teresina).

    • Por isso que foi sugerido no texto utilizar bicicletas ELÉTRICAS!

      • E quem não pode usar bicicletas? Queira ou não, ir e vir de bicicleta do trabalho adiciona um tempo considerável… Trabalhei por 4 meses na california, onde todo mundo aceita as bicicletas..

        Demorava 40 minutos a mais, pois precisava tomar banho no trabalho e o trajeto ainda era 15 minutos mais lento de bicicleta.

        Meu chefe foi atropelado 4 vezes.. não muito grave.. mas cada vez que te fecham e destroem a sua mão, você tem que ficar um mês sem bicicleta.. e claro, se você trabalha de programador… é duas semanas programando que nem uma criança de 10 anos…. Eu não imagino são paulo se tornando uma cidade de ciclistas.. O terreno é horrível, as distancias são enormes e do nada depender do transporte publico quando foi atropelado não ajuda muito.

        Eu mesmo sofri um acidente de bicicleta.. fiquei um mes sem conseguir andar de bike, perdi umas 2 semanas de trabalho.

        Morei na França também.. e vi um ciclista sendo atropelado e logo após xingado pelo motorista.. Todo mundo fala que o brasil é uma droga.. mas é tudo igual.. se o brasil perde em um ponto, ganha em outro.

        São paulo precisa de mais metrô… é a unica coisa que pode desafogar eficientemente os problemas

        • e incentivo para a compra de bicicletas elétricas importadas é um tiro na economia. Dê incentivo para a indústria nacional e regule o preço da mesma com a baixa ou alta do imposto para bicicletas importadas.

          é assim que as coisas deveriam funcionar com carros e eletronicos. Claro que não tão fazendo direito. E todo mundo reclama errado… “preço do carro muito caro”, “o imposto para eletronicos é muito alto”…

        • Você está realmente confundindo as coisas meu caro. Ninguem quer que você atravesse 25Km da cidade numa bicicleta. Quer apenas que você pare de usar seu carro para ir a padaria que fica a 2 quarteirões da sua casa. A bicicleta cobre facilmente um raio de 5Km, sem esforço, e se você deixa seu carro em carro em casa e vai de bicicleta dentro desse raio você é um carro a menos. É disso que trata a ideia de bicicleta como solução, e não transformá-la em único transporte. Além disso, ela é apenas UMA DAS soluções dentre as várias outras que devem vir em conjunto, como o alto investimento em transporte público.

          Se quiser uma prova viva dessa transformação, procure por “ciclofaixas para dignidade” no Youtube. Trata-se de uma rápida matéria com o ex-prefeito de Bogotá, Henrique Peñalosa, que mostra como esse tipo de ação conjunta que parou de incentivar o uso do carro para por pedestres e ciclistas como prioridade, conseguiu transformar Bogotá de simbolo da criminalidade na América Latina a referencia mundial em urbanismo, recebendo vários prêmios pelo mundo.

          Sou arquiteto e urbanista e na faculdade aprendemos que cidade se faz para pessoas e não para automóveis.

  39. Solução para o transporte publico, segundo os políticos; ” Político 1 -Vamos fazer corredores de ônibus pela cidade. Político 2 – E como vamos fazer isso, o gênio? Político 1 – Simples, vamos pintar faixas pela cidade e delimitar como corredores de ônibus. Político 2 – “Tah SERTO” gênio, e como vamos fazer a população aceitar isso? Político 1 – Simples, vamos multar quem não respeitar. Assim resolvemos dois problemas em um só, arrecadação através das multas e lugar para os ônibus. Político 2 – Olha vc é um gênio mesmo :D …”

    Só se esquecem q pintar faixas nas vias sem colocar ônibus para transitar em maior quantidade, não é solução é atraso. As pessoas não querem sair de suas casas em seus carros e ficarem presas no transito.
    Nova York na década de 80/90 era assim e foram investidos milhões em transportes publico: ônibus dos lugares afastados para estações de metrô, metrô q corta toda a cidade e no centro tem os táxis (só táxis não seria uma boa ideia aqui :P ). Isso fez com q as pessoas deixassem seus carros em casa e começaram a usar o transporte publico. Aqui também pode se fazer isso até mesmo usando oq eles chamam de “trens sobre rodas”, sistema integrado de transporte cortando toda a cidade vc se desloca de um lado para o outro da cidade pagando uma única passagem (se não sair de dentro do sistema). Isso faria a passagem ficar mais barata e aumentar o numero de “trens sobre rodas” aliviando o trânsito, claro não é da noite para o dia q se faz isso, mas se nada for feito a tendência é só aumentar o numero de carros fazendo com q as pessoas se levantem cada vez mais cedo e percam cada vez mais tempo e vivam cada vez mais suas vidas presas no trânsito. Mudanças muita das vezes não são bem aceitas no começo, mas se deixar cada vez mais ficará difícil de fazer algo para mudar essa situação.
    Se levarmos em conta q 70% dos carros transitam com uma única pessoa, o seu condutor, e se levarmos em conta o quanto se pode levar em um único veiculo de grande porte como: os “trens sobre rodas”, (claro tem q se ter qualidade nesse meio de transporte). É claro e aceitável diminuir as vias para carros pequenos, ou q levem uma única pessoa. Priorizando o meio comum e não só a individualidade.

  40. Sem produção de carros a economia para e o desemprego aumenta, não vejo solução para nada no Brasil.

  41. Não se esqueça dos motoqueiros. Eles estão sendo muito prejudicados com todos esses corredores, pois não esta mais sobrando espaço para ele trafegar entre os carros. O correto é liberar o corredor de ônibus para motoqueiros também. Ah e se vc é um daqueles que odeia motoqueiros, fique sabendo que a moto é o melhor veículo para se locomover nesse trânsito doido de Sampa.

  42. há uns dois anos atras resolvi mudar de transporte, troquei o transporte público pela bicicleta, andava em torno de 14 Km na cidade de são paulo no caminho de casa pra o trabalho, minha qualidade de vida melhorou bastante, só que o risco que eu estava correndo não valeu a pena e depois de uns 10 meses abandonei a bike, é muita pressão nas ruas e avenidas da zona sul, os motoristas só não me xingaram de amor rapadura, o reto tudo que vocês pensarem eles me xingavam todos os dias, então meus caros não aconselho nimguém a sair de bike em são paulo no dia-dia, é muito perigoso.

  43. A 4 anos abandonei a cidade, na época via propaganda incentivando o povo a usar o transporte publico, que entraria em expansão o metro e novos trens e metros iriam chegar, renovação de frota Metra(Zona Sul) e novas linha de ônibus “suspensos”. Retornei recentemente, e as novidades que observei 1-Trens novos com ar condicionado, 2-Ônibus novo e elétricos METRA, 3-linhas novas suspensas.
    Parece ótimo não é!!! mas
    1-Os metros novos, cada jogo de 8 bancos agora só tem 6(é isso ai, andar em pé é BOM né..(irônico),afinal onde tinha 2 bancos cabem 4 em pé, em hora de pico cabem 6 apertadinho).
    Ar condicionado, a maioria das vezes só em dias frios? ai vtnc…..
    2-
    3-Linhas Suspensas, Antes quem morava na Zona Sul pagava apenas uma condução, agora 2 e com por causa do novo terminal ficou inviável, porque? o tempo de viagem que de 45m a 1:00 hora, passou para 1:00 a 1:45, isso se não garoar.(isso na época, que como disse não uso mais esta rota.)
    3-Metra , ônibus novos, todos renovados, ok todos trocados, mas…..
    Os Elétricos se garoa ja param!!!! vtnc…..
    A questão dos acentos também se repete, vamos tirar bancos para caber mais gente(ovelhas) em pé…
    E o interessante que o engenheiro(pnc) que projetou algum dos ônibus, acham que é bom andar em pé, e ainda por cima com um piso com declive!!!!(vtnc engenheiro pnc).

  44. O problema é que de maneira nenhuma o Governo gosta de alterar NADA que vá contra a ECONOMIA

  45. Só esqueceu também da outra loucura que é o rodízio…

  46. Mudança cultural! mudando a cultura o resto é fácil… alguém ai falou, mas se parar de vender carros a economia para… então esta na hora de mudar a economia não acha? mas, primeiro a cultura…

  47. Oh Otario, vem andar de bicicleta aqui em Belo Horizonte, eu te desafio andar 8 km de ida e 8 km de volta todos os dias da zona norte ao centro… se vc viver, ou melhor sobreviver, sera um heroi. E se conseguir fazer isto por 6 meses, podera competir nas olimpiadas e seras campeao absoluto. Pois morro aqui e mato.

  48. ótima medida e concordo com você, mas não é de interesse dos nossos corruptos, fábricas de carroças e de empresários de transportes. Eu também era colado com o carro, já comprei a minha bike faz uns 2 anos e já estou curtindo melhor o meu bairro, pena que os carros não respeitam os ciclistas.

  49. Isso porque nem foi citada a safadeza do IPVA, que é um dos impostos mais absurdos. Você paga imposto por TER uma coisa que você JÁ pagou. Sem contar que é bitributação, já que o licenciamento também tem essa função…

  50. Já estou cansado de falar isso. O único prefeito (Haddad) que está pensando neste sentido, apesar de algumas ciclovias serem mal feitas, como tudo no Brasil, está sendo DURAMENTE criticado pela mídia, elite e cidadão ESTÚPIDO de São Paulo que acha mesmo que continuar fazendo mais estradas, túneis e viadutos que levam ao MESMO LUGAR, resolverá o problema! A cidade deve ser pensada para AS PESSOAS, com transporte coletivo de qualidade e transporte não motorizado (bicicletas). Como fez aliás, a Holanda há muito tempo!

Assinantes do site tem descontos especiais na loja! Bronze (5%), Prata (10%), Ouro (20%) e VIP (30%)! Saiba mais, clique aqui - Dispensar